sábado, 17 de março de 2018

Fáilte! Lá Fhéile Padraig! Dia verde de comemoração a Paddy!

Hoje é um dia bem especial para a cultura irlandesa, dia de São Patrício, ou Lá Fhéile Pádraig, Paddy´s Day e outros tantos nomes por intermédio dos quais o padroeiro é conhecido. 

O blog Sagrados Segredos destina-se à sacralidade celta, mas, no caso de St. Patrick, o que me motiva a escrever reside no sincretismo religioso muito forte na Ilha Esmeralda, porque a conversão ao catolicismo, ali, seguiu com mitigações. 

É o caso de Santa Brígida, uma forma católica de se referir à Brighid, deusa celta dos ferreiros, da poesia e do parto. Retratada como uma freira, reputa-se a ela  primazia de manter em Kildare suas sacerdotisas alimentando o fogo sagrado curador.

A Ilha Esmeralda é orgulhosa de sua história e ancestralidade celtas, razão pela qual o catolicismo ali não seguiu a conversão como nos demais países, onde o romanismo seguir forte. Por toda Irlanda é possível ver monumentos erigidos a heróis.

Pagão de origem e, posteriormente, convertido a cristão, reza a lenda que a Irlanda é carente de cobras porque Paddy tomou a cautela de expulsá-las todas de lá. O dia 17 de março marcaria a data de sua morte, em 461.

Hoje o dia é de festa e celebração regada a uma boa pint (medida de cerveja, quase sempre caramelizada, como nossa boa e velha amiga Guinness, inesquecível). 


Sláinte! Ela é tomada com fish´n chips e smashed peas. Ou seja, peixe e ervilhas. A ervilha é boa pedida, a carne, por questões pessoais, declino. Rs. 

Dia em que o orgulhoso povo da Ilha se veste de verde, cor representativa da bandeira, das vestes de São Patrício e, sobretudo, do cenário bucólico do Eire. 

Seus pastos, suas montanhas, tudo ali é de um verde incontrastável, que nos faz perder de vista o olhar. 

O shamrock ou trevo de 3 folhas é outra marca da Ilha e do dia, representando a santíssima trindade. Dizem até que St. Patrick sempre usava um para empreender ao seu serviço missionário de catequizar e converter os habitantes da Ilha. 




Converteu...

Mas o bom sangue celta ainda se mantém presente ali, quer seja nas práticas sincréticas, alimentação, como no idioma, o gaélico irlandês, que insiste em coexistir com o inglês invasor. 

Os irlandeses têm muito em comum com os galegos, pois ambos têm origem nas tribos celtas dispersas ao longo da Europa. 

Dizem que, numa boa briga entre irlandeses e galegos, não é possível saber quem é quem nem se se jogar um caneco de cerveja: povos temperamentais, brigões, alegres e muito, mas muito amantes de cerveja e música. 

Nesse dia especial que aglutina povos e culturas, desejo fazer um especial brinde à cultura celta remanescente na Irlanda, Galícia, Lusitânia e em tantos outros lugares diferentes. Sensação de plenitude a-espacial é o que me motiva, no dia de hoje, a abrir uma boa garrafa de cerveja e sorver a dádiva dos deuses e das deusas.

Sacralidade é isso...Ao menos para mim, pois não temo minha alma livre e celta, que se eleva diante da lembrança de tempos imemoriais nos quais a honra e a retidão eram a máxima a designar a alma humana.

Anam Cara...

Simples assim!!!!

Céad mille fáilte!



Nenhum comentário:

Postar um comentário