quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Meus tesauros de felicidade: a arte do desapego

Fonte da imagem para créditos: http://www.frasesparaoface.com/wp-content/uploads/2015/02/pratique-o-desapego.jpg
Finalizo no domingo meu recesso na faculdade, uma espécie de semana sabática na qual alunos, alunas, corpo docente e administrativo recarregam as baterias para a finalização do semestre (do ano até! Como 2016 passou rápido mesmo...). 

Estou em casa, aproveitando a ida do jiponguinha para a oficina e dando prosseguimento à minha semana de desaceleração, componente integrante e vital dos meus tesauros de felicidade.

Tenho percebido esse ano que a seca não conseguiu ceifar o jardim de ervas, a seguir seu ciclo, firme e forte, provendo-me com tanta dádiva: usando comedidamente a água -  tivemos racionamento aqui - consegui manter as plantinhas nutridas e floridas, mesmo com todo contraste que o clima do cerrado nessa época oferece. 

As próximas etapas serão os retornos da compostagem e da reciclagem, pois ainda não experimentei as técnicas nessa nova casa. Na antiga casa, fiz uma composteira de chão, onde as minhocas fizeram a festa da oxigenação. Com isso, plantei e adubei uma amoreira, uma bananeira e um mamoeiro, destruídos pelos labradores maluquetes.  

A reciclagem tem sido feita, sobretudo, com o reaproveitamento das garrafas de suco de laranja que tanto amo. Minha geladeira está abastecida com muita água, bastando abrir a porta e observar o tanto de garrafas de plástico, que poderiam estar no lixão, mas que são úteis demais para nós.

Aliás, essa birra de plástico e de consumismo está atingindo patamares bem nítidos em mim. Recuso plástico. Lembro-me até, num ímpeto de desespero diante do plástico, de ter recusado um presente que meu irmão queria me dar: uma garrafinha plástica com um compartimento para chá. Ou seja, bem diferente, pois tanto acomoda água como chá, quente ou gelado.

Quando vi a garrafa - nada tem a ver com meu irmão oferecer - tive um surto de "plasticofobia", pois assustei e neguei. Estou fora do plástico sedutor (canecas, garrafas, copos, compartimentos, a vida se plastificou intensamente nos últimos tempos), tentando sensibilizar, ainda, colegas de trabalho, para que adotem a garrafinha. 

A cultura do consumo de canecas e repositórios bonitos é intensa e covarde, pois os formatos, as cores e as dimensões acariciam nossa mente-que-nem-sente que consome a pedir "mais, eu quero mais plástico". Evito sacola, optando pela mochila ou pela sacola reciclável. Mas, quando preciso de saco de lixo para banheiro, ao invés de comprar aqueles fardos, uso as sacolinhas armazenadas.

Outra maneira que encontrei de reciclar consiste em repassar as roupas que, por ímpeto, adquiri, nunca ou pouco tenho usado. Não se trata de doação para instituição - esse é outro tesauro - mas sim de um mercado de trocas, pois sempre estou ganhando algo e, portanto, sinto a necessidade de dar em troca. Compartilhar. Ganho tanto mimo da galera no trabalho que poderia abrir uma loja com tudo que lotaria!

Brinco, colar, bata, lenço, casaco, caneca, corujinha: tudo muito lindo e amoroso, pedindo, de outra sorte, o retorno ao Universo provedor. Falando em brechó, uma excelente maneira de não estimular a indústria têxtil, pois a aquisição de uma roupa usada retira da linha de consumo a aquisição de outra recém-saída da fábrica. 

Existem excelentes opções de brechós aqui em Brasília. 

Vou muito ao peça Rara, que tem uma proposta muito legal de movimentação e também de doação. Podemos entregar as roupas não selecionadas para que eles possam encaminhá-las às instituições necessitadas no DF. As lojas ficam nas comerciais da 307 sul, 408 sul (feminino, casa e infantil, além de outra masculina), 204 norte (feminino e infantil) e Águas Claras (feminino e infantil). 

Você se cadastra e pode levar as peças (dependendo da quantidade, precisa marcar o dia, ou, então, aguardar o encaixe, mas nada demorado não). O valor é recebido em espécie, depósito ou convertido em crédito para ser gasto na loja. Olha que legal a cadeia de sustentabilidade!


Fonte: https://2.kekantoimg.com/zB3gz4F016eXpXOB9u7JFJPwG_s=/fit-in/600x600/s3.amazonaws.com/kekanto_pics/pics/994/33994.jpg





Na 307 norte tem o Lixo Valioso, um lugar muito diversificado também. Fica num subsolo, bem underground, legal demais. O valor das peças é bem justo e honesto e você pode passar o dia todo olhando que não conseguirá exaurir o potencial do lugar. 

Além deles, a moda agora em Brasília é a feira múltipla, que reúne brechó, foodtruck, sustentabilidade etc. Nas entrequadras direto temos notícia de uma, geralmente nos finais de semana, momento em que a feirinha da Torre de TV também abre, com opções artesanais.

As roupas e os sapatos e sandálias artesanais são um ofício geralmente transmitido de geração para geração. Converso muito e descobri isso. Ou seja, sustento de famílias, por intermédio da confecção de peças únicas, exclusivas, ao contrário da padronização industrial, que nos aloja como robôs em uniformes. 

Trabalho belo!

Tem uns 10 anos, por aí, que minha arara acomoda roupa usada e artesanal, sobretudo tay day (aquele efeito borrado que ainda arriscarei fazer com água sanitária, tinta e barbante). Além disso, amo as botinhas da Torre, pois duram, são confortáveis e protegem os pés no dia-a-dia das atividades, sem deixar de mencionar que são estilosas mesmo! Lembram o bom e velho estilo bretão de ser, hahahaha.

Já que não posso ser bretã e andar a cavalo, optei por trocar meu carro urbano pela proposta de um jipe Bandeirante a diesel, mais eficiente em termos de sustentabilidade. "Nossa, não é muito velho?" - ouço sempre. Um carro. Estamos falando de UM carro com longevidade, fabricado para durar, não carro playmobil.

Vida útil de motor que pode perpassar minha própria existência, deixo de retirar da fábrica um carro novo a poluir o meio ambiente. Ainda mais aqui em Brasília, onde a média é 1 carro para três habitantes - apesar de eu sempre ver, a começar de mim, 1 motorista no carro. 

Quando buscar o jipe na oficina vou adotar um critério misto e, em alguns dias da semana, descer de baú, pois adorei a experiência de prestar mais atenção à vida e às paisagens. 

Investimentos? Bicicleta para ir ao yoga perto de casa, que também traz acréscimos, já que voltarei a fazer minha comida e, com isso, não terei tanto gasto na rua. Uns barris para começar a coletar água da chuva, a despeito de não estar sequer chovendo (um dia choverá cântaros, tenhamos fé!). Amaciante feito em casa: tenho saudade de quando fazia o meu, com a fragrância que me dava na telha.

Aliás, que semana agradável mesmo, cozinhando e voltando a me nutrir: o corpo agradece e a alma canta de suavidade! O foco, por agora, é continuar na senda quando as aulas retornarem.

Mas, claro, sobretudo, para que tudo isso dê certo, necessário um grande desapego do dinheiro, bem como das comodidades que ele oferece. Nesses dias sem televisão, em que apenas leio, medito e silencio, percebo o quanto é importante alimentar o espírito de simplicidade, pois dela exsurge o despojamento...

Eis uma síntese do tesauro desapego, elaborado progressivamente, sem dogmas, violência ou opressão à alma. Sendo apenas eu, nas idas e vindas dos ciclos que sempre se renovam dentro de mim!

Um comentário:

  1. olá! adorei seu blog! descobri ele ontem a noite pesquisando sobre ervas pro jardim. estou aprendendo muito aqui, me identifiquei DEMAIS com suas idéias. é como se você colocasse em palavras sofisticadas (talentos de advogados) tudo aquilo que gira desordenadamente na minha mente. Anotei algumas leituras suas como indicações de livros para mim, porque estou buscando mais informações sobre bruxaria, mas os livros que tive acesso até agora são wiccas, e eu não me identifico nem um pouco com religiões e culto de deuses. Acho que a bruxaria é muitas vezes um caminho particular, baseada em descobertas, experimentações pessoais com a Natureza, e que daí pode ser passado por gerações. Não sei. Não tenho embasamento acadêmico para falar sobre isso do ponto de vista histórico e antropológico.
    Enfim. Só queria dar oi. Achei muito curioso quando vi que você mora em Brasília (mudei para cá esse ano) e é uma ariana TRIPLA! Eu sou ariana dupla, porque minha lua é em aquário! Salvei seu blog nos favoritos, porque tem muito o que ler aqui e aguardarei postagens futuras! Abraços e boa semana!

    ResponderExcluir