domingo, 31 de janeiro de 2016

\o/ Dias mágicos: SEXTA-FEIRA na paz e no AMOR \o/

Fonte da imagem: https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/236x/5c/3f/f4/5c3ff4620f0d0b8bfd4212ce39b7ae48.jpg
Sexta-feira!!!

Vem chegando o final de semana: para uns, dois dias de descanso da jornada diária. Para outros, dia de desaceleração para os trabalhos de sábado. 

Enfim, independentemente da rotina, sexta-feira traz especial adoração, sobretudo, por parte dos amantes apaixonados. Basta reparar a quantidade de casais que escolhem esse dia para os encontros românticos. 

Frigga, Vênus e Urtzi são as deidades referenciadas nesse dia da semana. 

Para as sociedades setentrionais, o dia é destinado à deusa Frigg, entidade nórdica regente do amor, da fertilidade, das parcerias e do casamento (esposa de Odin). Deusa protetora das mulheres e conhecedora dos mistérios de sangue (conhecimento do poder feminino da criação).

Freitag (alemão), fredag (sueco e dinamarquês), friday (inglês) são nomes derivados de Frigga, enquanto viernes (espanhol), vendredi (francês), venerdi (italiano) e venres (galego) designam o dia de Vênus a deidade romana (correspondente a Afrodite no panteão grego). 

Na cosmogonia celta inexiste uma linha demarcatória de áreas específicas para cada deidade, resultando, com isso, uma complexidade ímpar de zonas de influência para os deuses e as deusas. Muito se fala sobre A Morrighan como deusa do amor, mas ela está longe do arquétipo romântico. 

O amor de Morrighan é visceral, passional, sexualizado e comumente relacionado à morte (basta observar sua relação conturbada com Dagda à beira do rio, ou, então, com CuChulain). Para esses temas entrelaçados, chame por Morrighan, lembrando sempre que se trata de uma deusa de sombra, não menos adorada por isso. 

Deusa do Amor? Nesses termos, sim, claro! Mas lembro que é o conceito de amor que aqui merece nova perspectiva. 

A deidade do amor - uma das, lembrando que o panteão celta é rico e complexo, em face da ausência da unidade política dos clãs - venerada pelos celtas é Branwen - a filha de Llyr e de Penarddun- que rege também a beleza, sendo, por isso, associada à Afrodite e Vênus. 

Aine - filha de Eogabail - é uma deusa irlandesa do amor e da fertilidade, quase sempre relacionada ao mundo das fadas (venerada bastante em Limerick, Irlanda). Sempre que se remonta à Aine, a ideia que vem à mente é de uma rainha-fada, etérea, lúdica e transcendental. 
Fonte da imagem: http://www.teiadethea.org


Blodeuwedd é a deusa galesa do amor e da beleza. Também chamada de A deusa das noves flores, uma vez que foi criada a partir delas, para ser esposa de Llew Llaw Gyffes (Lugh), amaldiçoado pela mãe Arianrhod a nunca se relacionar com uma humana. 

Importante frisar que ela guarda um aspecto sombra, pois diante de sua infidelidade, os magos que a fizeram transformaram Blodeuwedd em coruja, símbolo da noite, sabedoria, da reflexão e do mistério. 

A deusa enganou o marido, tramando com o amante Goronwy sua morte, que somente poderia acontecer se Llew tomasse banho em um telhado embaixo de um caldeirão, à margem de um rio, em pé, com uma perna tocando um cervo. Com isso, a deusa restitui sua soberania, uma vez que se fez livre para seguir seu caminho. Complexidade, mais uma vez. 

Pois bem...

O que temos para sexta-feira, diante disso tudo?

Dia consagrado ao amor, ao casamento, à amizade, beleza, às artes, ao entretenimento, à família (relacionada ao amor) e à poesia, que nos lembra Brighit. Aliás, dia 02 de fevereiro começam as celebrações em honra à deusa. Vale a pena uma postagem para ela. 

Fonte da imagem:https://journeyingtothegoddess.files.wordpress.com 



Um comentário: