sábado, 20 de abril de 2013

A ametista e a conexão com o etéreo...

Como usualmente acontece em uma noite com a Lua fora de curso, estou recolhida em casa, quietinha, imersa em meus estudos herméticos e descomprometidos com a ciência "oficial".

Estou mergulhada, contudo, no maravilhoso mundo etéreo, invisível aos olhos físicos, mas acessíveis pelo portal da alma curiosa, que procura recuperar as informações armazenadas na amnésia sábia com a qual nossos espíritos não trazem, de imediato, a reminiscência do passado.  

Estou escutando Enya, aguardando ansiosamente a Lua entrar no signo de Virgem daqui a pouco, às 22h10. Enquanto ela "não vira" o odômetro mágico, abri o livro A bíblia dos cristais: o guia definitivo dos cristais.

Considerada a "pedra da espiritualidade", possui propriedades transmutadoras, principalmente em relação aos  sentimentos de raiva, ódio, ira, medo e ansiedade), protegendo, ainda, contra ataques psíquicos. 

É sempre providencial deixar uma "manta" ou pedaço bruto (chamados de geodos) de ametista em cima da mesa do trabalho ou, ainda, a ponta dela (quando lapidada assim) virada para si, pois ela capta o campo hostil, transmutando-o e lançando no Universo a energia negativamente lançada contra nós.

Além disso, colocar um geodo perto do local de orações ou do altar favorece a meditação e diminui a dispersão mental, trazendo as ideias do plano espiritual para o mental. 

A ametista também estimula a memória, bem como promove o centramento emocional. No plano fisiológico, estimula a produção de hormônios, regula o sistema endócrino e imunológico, bem como minimiza as dores de cabeça e a tensão.

Se estiver com
INSÔNIA, basta colocar um pedaço dela embaixo do travesseiro. Não precisa ser um pedaço grande, para não comprometer o sono com a pontada da gema na cabeça: basta um fragmento.

Ou, então, outra dica, que vale também para quem deseja realizar viagens astrais: basta colocar a manta de cristal na cabeceira da cama. Tenho um coração de ametista, um pingente que pode ser colocado no chackra cardíaco, para auxiliar na transmutação dos sentimentos ali arquivados.


Para quem desejar, elixir de ametista também é ótimo! Basta colocar um pedaço dele - daí prefiro os lapidados e roliços aos brutos, por não se deteriorarem - em uma tigela com água e deixar ao sol por 12 horas. 

Daí, tire o cristal e coloque em uma garrafa de vidro hermeticamente fechada, tomando o cuidado de acrescentar 50% de brandy para conservar mais a água, se não for consumi-la rapidamente. Armazene em um lugar ao abrigo do sol...

É importante, porém, programar a gema para que realize tais tarefas. Costumo deixá-la ao Sol e, depois, sob a luz da Lua, para que capte ondas e se revitalize. 

Depois, consagro-a aos quatro elementos - terra, água, fogo e ar - e mentalmente a programo, colocando-a na palma das mãos e soprando três vezes, pois o ar é transmissor natural do comando criativo que vem de dentro de nós, no caso, do fogo (espírito). 

Pronto! Com isso está feita a mágica! Bons sonhos, boas viagens e bons proveitos com essa gema linda e especial, que evoca a sabedoria da transmutação, bem como a conexão íntima com a espiritualidade!!!

[FONTE: HALL, Judy, A bíblia dos cristais: o guia definitivo dos cristais. Trad. de Denise de C. Rocha Delela. São Paulo, Editora Pensamento, 2008, p. 53-56].

Nenhum comentário:

Postar um comentário