domingo, 28 de agosto de 2011

A renovação da Lua Nova...

A Lua Nova sempre traz o ar da renovação dos projetos em nossas vidas! Deixamos para trás, com ela, o que se resolveu e sobrestamos o que não pôde ser decidido. O frescor da Lua Sacra, em sua face de nascimento inovador, sempre lembra o início da Vida, celebrado, em roda, nos mistérios do devenir desconhecido.



É hora de deixar para trás o ciclo que se integralizou, agradecendo aos deuses e à Natureza pela acomodação da alma a compor mais uma experiência com calma e tranquilidade!



Esse final de semana - um quântico final de semana - o aprendizado veio no galope da Lua Nova...



Uma situação sobrestada no passado - aquela que foi sem nunca ter sido - exsurgiu, de súbito, na imensidão de um céu em atropelo de causa. O afã por vivenciar o que não foi vivido suscitou uma mônada de ansiedade para, talvez, quem sabe, findar-se algo que ficou em suspensão por muto tempo.

Um curto lapso de tempo na introspecção de uma alma que, sacudida pela lembrança do que poderia ter sido, se não tivesse, enfim, sido muito mais do que a lembrança, projetou num devenir infindo a esperança da superação de suas próprias limitações...

De tudo de vi, vivi e senti, apenas me calei para observar a passagem do ponto de mutação que veio com a Lua Nova. Deparei-me com um caminho outrora desarmônico, pecerbendo em mim a mudança que, no hoje, torna incompatível a vivência de outrora.

Por mais que falasse, nada poderia retirar a aspereza do que se firma como resultado de um caminho que se construiu na indiferença no cuidado com o valor do Outro. Nessa dimensão reflexiva, o não reconhecimento do sentir passa a matar, então, assim, aos poucos, a esperança de um devenir que fica, em claustro, num ponto longínquo do passado...

Daí o aprendizado do final de semana: encarar o passado de frente, sem medo, deixando de lado a culpa e devolvendo o que se viveu ao seu lugar de origem...

O que fica para trás lá deve ficar e permanecer, a menos que estruturalmente e ao mesmo tempo, tudo, você, o outro, o mundo, sejam ou estejam diferentes. utopia? Não, clareza mental e coração firme nos propósitos do que é Sagrado!


Nenhum comentário:

Postar um comentário