segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Fàilte, Litha! Solstício, eclipse e lunação...

Fàilte, Litha!

A partir das 20h39m de amanhã, dia 21 de dezembro de 2010, a roda gira para abraçar a entrada de Litha, o festival solar que marca o Solstício de Verão no hemisfério sul.

Nesse dia, o Sol estará em seu zênite, o ponto máximo de uma linha imaginária que parte do centro da Terra, momento em que a incidência dos raios solares é perpendicular ao eixo horizontal fictício da Terra.

Marca a plenitude de recepção dos raios solares em nosso planeta, de maneira a iluminar, de maneira incomum, nosso hemisfério.

Como sempre, estaremos aqui, amanhã, dia 21 de dezembro, de portas e janelas abertas, para celebrar Litha, o Plenilúnio, o eclipse e todas nossas conquistas e realizações em 2010, a partir das 21h. Muita luz, muito amarelo, vermelho e laranja para saudar a entrada do verão, a plenitude do Deus fertilizador e a alegria do aqui e do agora.

É o início oficial do verão, com o dia mais longo do ano!

Litha, também conhecido como Alban Hefin - ou Luz do Verão em gaélico - representa para o paganismo a plenitude do Deus que, adulto, torna-se pai e poderoso, ao mesmo tempo em que nos lembra que todo apogeu traz, em si, o declínio proeminente, pois o Deus fertilizador abraça a amada pela última vez (Deusa), para se dirigir ao País do Verão em Samhaim, no ano seguinte.

Ponto decisivo da Roda do Ano, o Solstício do Verão simboliza o término do reinado do ano crescente do Deus, que se recolherá até fenecer para, depois, renascer pleno a partir da Deusa, mãe-amante.

Além disso, a data amanhã traz uma dupla benção auspiciosa, porque as 05h14m a Lua ficará Plena, Cheia e, não bastando esse brinde, haverá, ainda, um eclipse muito importante, a tomar assento por ocasião da alvorada (entre 4 e 5 horas do horário de verão).

Será um momento diferente, chamado por nós de Lua Vermelha, pois se trata de um eclipse total diante de um céu de azul escuro. Não posso deixar de mencionar que esse fenômeno apenas se repete de 19 em 19 anos, o chamado Ciclo Metônico.

Astrológica e psicanaliticamente falando, os eclipses lunares em idos de Luna Llena mexem com toda sorte de emoções, principalmente as que nos vinculam aos padrões do passado, direcionando-nos para a superação do antigo com o abraço do novo. Ótimo para "limpar a casa" interna, abrir as janelas e deixar a luz do devenir entrar...

Queimaremos nossos pedidos no caldeirão, invocando a egrégora ancestral para que entremos em 2011 com superação de padrões internos... Uma clássica rima de ritual envolve a conjugação dos elementos.

Enquanto consagramos o pedido em cada um dos elementos, entoamos:

"O que for real, que a água purifique, a terra fixe e assim permaneça...O ilusório, que o ar carregue, o fogo destrua e, assim, pereça."

Vou abrir um círculo amanhã, na companhia de pessoas que fazem parte do meu clã.

Invocarei a ancestralidade e os elementos:

"Saúdo os Céus e me conecto aos mistérios do que está acima de mim...
Celebro a Terra e me entranho nos segredos do que está sob meus pés...
Invoco a Deusa e o Deus, Casal Sagrado unido na superação da dualidade...
Entro em conexão com o panteão da linhagem ancestral daquelas guerreiras que vieram antes de mim...
Anu, Danu, Errin, Ceridwen, Morrighu, Brighit, Macha, Maeve e Boudicca...
Entro em conexão com o flanco dos guerreiros...
Oghma, Cu Chulàinn, Dagda, Lugh, Taliesin...
Saúdo os ancestrais dessa terra, que receberam minha linhagem.
Entro em conexão com a energia primordial da terra (...)
Entro em conexão com a energia primordial da água (...)
Entro em conexão com a energia primordial do fogo (...)
Entro em conexão com a energia primordial do ar (...)"

Será um momento especial, pois queimaremos nossos pedidos no caldeirão, imantando votos de muita realização para 2011.

Nenhum comentário:

Postar um comentário